domingo, 16 de agosto de 2009

Durmo.


Durmo. Se sonho, ao despertar não sei
Que coisas eu sonhei.
Durmo. Se durmo sem sonhar, desperto
Para um espaço aberto
Que não conheço, pois que despertei
Para o que inda não sei.
Melhor é nem sonhar nem não sonhar
E nunca despertar.

Um comentário:

Aline Aimée disse...

Lindo!
Vc que escreveu?